segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Violência sem fim: “Malhado” é perseguido e morto atrás de colégio em Simões Filho



A criminalidade volta a fazer vítima e a semana já começa com registro de violência. Mais um jovem teve sua vida ceifada de forma brutal, no final da manhã desta segunda-feira (25/09), na cidade de Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS).
Os sonhos chegaram ao fim para Alisson Wendel de Jesus dos Santos, 18 anos, mais conhecido como “Malhado”. O jovem foi assassinado com vários tiros em uma localidade conhecida como Baixa da Jaqueira, no bairro Coroa da Lagoa. O corpo foi encontrado por volta das 10h30, atrás da Escola Estadual Polivalente de Aratu, no Cia 2. “Viram um cara correndo atrás dele com uma faca na mão e depois o corpo foi encontrado”, informou um morador do bairro, que pediu para sua identidade não ser revelada.
Ainda conforme relatos de testemunha, “Malhado” foi encontrado “totalmente nu” em área de mata atrás do colégio, e apresentava “sinais de tortura”. Alem disso, a policia foi acionada, e ao chegar ao local, percebeu que no corpo do jovem também existia perfuração que aparentava ser de arma de fogo.
Um dos irmãos da vítima, que preferiu não se identificar, relatou a reportagem do Simões Filho Online, que soube da morte de Alisson através de uma suposta companheira do jovem. “Ela me avisou por meio do Facebook  e me disse que não viu nada porque não estava presente na hora do ocorrido. Estive na casa dele e o local estava lavado de sangue”, contou.
Atualmente, “Malhado” fazia parte da banda de Fanfarra Autônoma de Simões Filho (Fanausf) e fez sua última apresentação neste domingo (24/9), em Santo Amaro da Purificação, no recôncavo baiano.
“Era um menino maluquinho que sempre gostou de viver a vida, participou de varias fanfarras da cidade, Fanusf, Integração e a do Reitor. Estou desolado sem chão pedindo força a Deus para continuar seguindo em frente”, completou o irmão.
Alisson Wendel foi integrante da Fanfarra Integração da Bahia em 2014 e 2015. O regente instrutor da fanfarra, Jorge Bartolomeu, lamentou a morte do jovem. “Ele chegou a participar de um circuito mundial de fanfarras, depois não sei por qual motivo ele desistiu de continuar. É muito lamentável. Eu ainda não tenho informação de como ele estava. Por sinal, ontem, eu o encontrei transitando e ele ainda falou comigo:  – olá professor, Jorge!. Eu fico triste que isso tenha acontecido”, lamentou.
Alisson morava com uma jovem no Laboré. Ele era filho de uma funcionária da Prefeitura Municipal de Simões Filho, que trabalha como gari.
Investigação
Policiais da 22ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) registraram a ocorrência e acionou os agentes do Departamento de Policia Técnica (DTP), que estiveram no local para a investigação da cena do crime. Os peritos conseguiram recolher vestígios importantes, que podem permitir a coleta de impressões digitais, como também de material biológico. Esse tipo de vestígio poderá ser utilizado para uma identificação direta ou indireta do autor que usava a arma.
Após a realização da perícia, o corpo foi encaminhado para o Instituto Medico Legal Nina Rodrigues, em Salvador para realização do exame cadavérico.
A polícia ainda não tem  informações sobre as causas que motivaram o homicídio, nem quem são os autores do crime. O caso deve ser investigado pelo (SI) Setor de Investigação da 22ª Delegacia Territorial de Simões Filho.
Outro crime
Um corpo não identificado foi encontrado na manhã deste domingo (24/09) no Aterro Sanitário , localizado na rodovia Ba 526 (Cia- Aeroporto), Simões Filho, na Região metropolitana de Salvador (RMS). Ainda não há mais informações sobre a vítima que foi encontrada às 11h deste domingo e foi levado para o Instituto Médico Legal e até o momento da publicação desta matéria não havia sido identificado.
Aratu Online

tags

0 comentários:

Postar um comentário