quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Matador de facção ofereceu 1,5 mil a policiais para não ser preso, diz SSP



O homem apontado como oito de Copas do "Baralho do Crime" da Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), preso nesta última segunda-feira (30), em Salvador, ofereceu pouco mais de R$ 1 mil aos policiais que o abordaram para que ele fosse liberado. No entanto, o suborno não foi aceito.
As informações foram divulgadas pela SSP nesta terça-feira (31), durante a apresentação de Matheus Roberto Costa Souza, conhecido como "Boca Preta", à imprensa, na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro da Pituba. O suspeito foi preso no bairro de Nazaré. Segundo a secretaria, havia três mandados de prisão em aberto em nome do homem.
De acordo com a secretaria, Matheus Roberto Costa Souza é investigado pelo envolvimento em ao menos seis homicídios ocorridos no bairro do Engenho Velho da Federação, neste ano. Entre os casos, está a morte de quatro homens que eram envolvidos com o tráfico de drogas. O crime ocorreu em julho e teria sido provocado por uma suposta briga entre facções criminososas segundo informações do G1.
Conforme a SSP, a quadrilha que Matheus Roberto Costa integra foi alvo de uma operação deflagrada pela polícia no final de setembro. Integrantes do mesmo grupo criminoso, Eric Santos Argolo, o "Loirinho", e Luciano de Jesus Mota, o "Luciano Benga", são procurados pela polícia.
Conforme a SSP, quando foi preso, o suspeito estava em um carro do aplicativo Uber com outras duas pessoas, além do motorista. Durante a abordagem, Matheus Roberto Costa teria tentado quebrar um celular que estava com ele.
De acordo com a secretaria, todos que estavam no veículo e o celular foram levados para uma delegacia. O motorista do Uber e as outras duas pessoas foram ouvidas e, em seguida, liberadas.
O celular quebrado pelo suspeito foi encaminhado para perícia no Departamento de Polícia Técnica (DPT). Já Matheus Roberto Costa será encaminhado para o sistema prisional, onde ficará à disposição da Justiça.
G1

tags

0 comentários:

Postar um comentário