quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Pai de santo invade palco e benze Temer: ‘PT fez macumba contra ele’



Uma cena curiosa marcou a convenção do PMDB, nesta terça-feira, em São Paulo. Um pai de santo subiu ao palco para benzer Michel Temer. Segundo Roberval Uzêda, o Pai Uzêda, o Partido dos Trabalhadores (PT) fez uma “macumba para ele (Temer) morrer no hospital”. Quando assessores do presidente viram o pai de santo no palco com Temer ficaram assustados e pediram para que o homem fosse retirado do local. Temer, um pouco constrangido, sorriu e chegou a abrir os braços para receber o “passe”.
Vestido de branco e segurando ramos de uma planta chamada guiné, “usada contra morte e doença”, o pai de santo disse que esteve no Palácio do Jaburu e no gabinete de Temer no Palácio do Planalto e que foram encontrados “quatro bonecos” de vodu contra o presidente. “Eu fui defumar, benzer, tirar tudo. Era uma urucubaca brava ali”, contou. Bastante agitado, ora dizia ter sido contratado “dona Marcela” ora pelo PMDB.
Questionado há quanto tempo conhecia a primeira-dama, disse apenas que ela era “linda, maravilhosa”. O pai de santo, que diz ser da “umbanda da linha branca”, usava um crachá de “convidado” da convenção. O PMDB negou que tenha contratado os serviços do místico.
A Secretaria de Comunicação da Presidência da República, entretanto, afirmou que não procedem as informações de que Uzêda teria benzido os gabinetes de Michel Temer e nega que o cidadão tenha ido ao Palácio do Planalto ou ao Palácio do Jaburu.
Pai de santo tentou ajudar Dilma
Essa não é a primeira vez que Pai Uzêda vira notícia em Brasília Em março de 2015, o pai de santo invadiu o Palácio do Planalto para, segundo ele, tentar alertar a então presidente Dilma Rousseff em relação a Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
Nove meses depois, o então presidente da Câmara autorizou a abertura do processo de impeachment contra a petista. Pai Uzêda também costuma circular pelo Congresso Nacional e já foi candidato a deputado federal e a vereador no Rio pelo PP.

Com informações da Agência Estado


   


tags

0 comentários:

Postar um comentário