terça-feira, maio 14, 2024

Infância despedaçada’: ‘Tive uma filha do meu próprio pai’, diz vítima de abusos dos 12 aos 16 anos

Mayara Aline Braga tinha 12 anos quando um suposto carinho do pai dela a machucou pela primeira vez. Dali em diante, ela relata que foram 4 anos sofrendo constantes abusos sexuais.
Eu tive uma filha do meu próprio pai. Isso não é pequeno. Como se tem estrutura de ter um filho de um abuso e ainda criar ele com amor? Sem o apoio de ninguém, isso não é pequeno. Isso é grave”, conta a moça, hoje com 29 anos.
A gravidez na adolescência, por si só, é desafiadora. Mas foi a partir da gestação da filha que a adolescente, até então fragilizada e assustada, teve forças para enfrentar Marco Aurélio Leonel da Silva, seu pai.
Os anos se passaram, Mayara se casou e teve mais 3 filhos: 1 casal de gêmeos (hoje com 8 anos) e 1 menina (com 4 anos). 
‘Achei que era normal’
Mayara foi morar com Marco Aurélio aos 10 anos no Jardim América, na Zona Norte do Rio, depois de ser expulsa da casa pela mãe — que era vítima de violência doméstica.
Bahia 24 Horas
Home Histórias da vida
‘Infância despedaçada’: ‘Tive uma filha do meu próprio pai’, diz vítima de abusos dos 12 aos 16 anos
Série de reportagens do g1 conta agora a história de Mayara. Hoje com 29 anos, ela relata como a violência mudou sua vida e a luta para superar o trauma: 'Meu pai me ensinou que era normal [o sexo entre eles]'.
por Redação 14 de maio de 2024 Reading Time: 7 mins read
A A

Mayara conta que foi abusada pelo pai dos 12 aos 16 anos


Mayara Aline Braga tinha 12 anos quando um suposto carinho do pai dela a machucou pela primeira vez. Dali em diante, ela relata que foram 4 anos sofrendo constantes abusos sexuais. A violência só parou depois de engravidar dele, aos 16.


“Eu tive uma filha do meu próprio pai. Isso não é pequeno. Como se tem estrutura de ter um filho de um abuso e ainda criar ele com amor? Sem o apoio de ninguém, isso não é pequeno. Isso é grave”, conta a moça, hoje com 29 anos.


A gravidez na adolescência, por si só, é desafiadora. Mas foi a partir da gestação da filha que a adolescente, até então fragilizada e assustada, teve forças para enfrentar Marco Aurélio Leonel da Silva, seu pai.

Os anos se passaram, Mayara se casou e teve mais 3 filhos: 1 casal de gêmeos (hoje com 8 anos) e 1 menina (com 4 anos). Dentro de si, porém, guarda feridas que relutam para cicatrizar e memórias que nunca serão apagadas.


‘Achei que era normal’
 
Mayara foi morar com Marco Aurélio aos 10 anos no Jardim América, na Zona Norte do Rio, depois de ser expulsa da casa pela mãe — que era vítima de violência doméstica.
Na época, a área já era dominada pelo tráfico, e a convivência com as drogas, a violência e as operações policiais era rotineira.
“Depois que eu fiquei mocinha, depois da minha primeira menstruação, ele abusou de mim. Dos 12 aos 13, eu achava completamente normal o que o abusador fazia comigo. Ele dizia que o primeiro homem de uma menina era o pai, que era o pai que preparava a menina para outros homens”, relata Mayara.
O pai, além de muito agressivo, era viciado em drogas, conta ela: “Dos meus 12 aos 13 anos, eu permiti que meu pai abusasse de mim porque eu achei que era normal, porque meu pai me ensinou que era normal. Eu cresci com meu pai dizendo que aquilo estava certo. Se, dentro de mim, eu crescesse achando que aquilo era normal, talvez hoje eu fosse uma abusadora”.
Depois do nascimento da filha, ela chegou a ameaçar o pai para que ele não cometesse mais os abusos.

“Teve um dia que ele me deu uma surra muito forte, bateu a minha cabeça e me fez desmaiar. Nesse dia, eu prometi a ele que se ele fizesse mais algo comigo ou usasse drogas enquanto minha filha estava dentro de casa, eu ia dar queixa dele na boca de fumo. Dali em diante, ele nem me bateu mais.”
Gravidez marcada pela dor

A gravidez já é um momento de sensibilidade para as mulheres, mas Mayara foi exposta também à violência psicológica.
“Quando eu engravidei, ele trabalhou muito meu psicológico. Quando minha mãe me expulsou de casa, ela disse: ‘Você vai morar com seu pai para ver o quão bom ele é, você vai bater na porta da minha casa grávida de um traficante, com o olho roxo, e minha porta vai estar fechada porque nem um pacote de comida você vai ter!’”, relembra ela.
Segundo Mayara, o pai constantemente usava as falas da mãe para convencê-la de que a jovem estava desamparada no mundo. A mãe só soube da gestação quando ela já estava avançada, e só conheceu a neta aos 3 meses. Além da violência psicológica, o pai tentou gerar um aborto forçado em Mayara.
“Assim que eu engravidei, eu lembro que ele me deu um remédio e uma bucha para eu cheirar. Ele disse que eu estava com o útero sujo, que como ele era um homem formado, o que saía dele em mim me deixava suja. Ele me deu um chá e eu tive que ficar cheirando uma bucha em jejum por 24 horas. Eu sangrei por mais de um dia”, afirma a jovem.
Mayara conta que, como não deu certo, ele passou a dizer que a moça tinha “se aventurado na adolescência e que não sabia quem era o pai da criança”. O pré-natal só foi feito com quase 6 meses de gestação. Na época, o pai namorava a atual esposa, que tentou ajudar a adolescente.

Mayara explicou que o pai ordenou que contasse a seguinte história para a madrasta: “Olha, eu tô grávida e preciso que você me leve para fazer uma ultra, mas o meu pai não pode saber”.
“Ele deu o dinheiro da ultra e disse que queria saber o tamanho do feto porque ele estava com dinheiro para fazer um aborto. Na ultra, vi que já estava com 5 para 6 meses. Cheguei em casa e disse que não ia fazer um aborto”, relata Mayara.
Naquele dia, então, a jovem conta que foi espancada mais uma vez.
Ele esperou a namorada ir embora e disse: ‘Você que está decidindo ter a criança. Eu estou tentando consertar um problema que você arrumou. Já que você quer ter essa criança, você vai sustentar porque do meu bolso não sai um real. Você vai ter que largar a escola e trabalhar porque essa criança não tem nem o que vestir, e não sou eu que vou botar o que comer pra ela’”, relembra.
Durante a gravidez, o pai tentou violentar a jovem novamente, diz Mayara: “Ele dizia muito que eu tinha que ter relação com alguém para abrir passagem porque corria o risco de a criança ficar presa em mim e eu e ela morrer no parto. E ele dizia que eu não podia ter relação com outra pessoa além do pai da criança, porque senão ela saía especial”.
Fonte Bahia 24 horas 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pedreiro morre ao cair de estrutura de seis metros em Feira de Santana

Um homem morreu, neste sábado (18), após cair de uma altura de cerca de seis metros, enquanto realizava um serviço de pedreiro e...