sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Famílias acusam policiais de executarem dois jovens em Presidente Tancredo Neves



Na noite desta quinta-feira (28/09), os jovens identificados por Marcelo Santos e Eduardo Alves foram mortos por policiais militares lotados do 2º Pelotão em Presidente Tancredo Neves, pertencente a 33ª CIPM/Valença-BA. Segundo informações, a ação dos Policiais Militares deu início quando um homem não identificado acionou a polícia após ser assaltado por dois elementos a bordo de uma motocicleta de dados ignorados. Imediatamente a Guarnição da PM iniciou diligência na busca pelos assaltantes, no entanto, os jovens acima mencionados que estavam a bordo de uma motocicleta de dados desconhecidos, receberam ordem de parada, porém, os mesmos não obedeceram a ordem policial e começou uma perseguição pelas ruas da cidade, momento em que os policiais atiraram e os jovens foram atingidos na altura do abdômen, foram socorridos para o Hospital Maternidade Luis Eduardo Magalhães, porém, não resistiram aos ferimentos e faleceram.
                       
Ainda segundo informações, tanto a família quanto a população dizem que os jovens eram inocentes e que foram executados pelos policiais, que agiram com excesso de força, pois os jovens não estavam armados e nem esboçaram reação, até porque os jovens não pararam uma vez que a documentação da motocicleta estava irregular. Após a desastrosa ação policial, a população se revoltou com a morte dos jovens e quebraram placas de sinalização, atearam fogo em um carro da Câmara Municipal, como também em um carro do Vereador Marivaldo, além de depredarem alguns estabelecimentos comerciais. A BR 101 foi bloqueada por algumas horas. Os manifestantes colocaram os carros na referida rodovia e atearam fogo e foi uma clima de guerra na cidade! A população amedrontada se trancou dentro de suas casas enquanto o quebra-quebra acontecia. O reforço policial chegou através das guarnições da PETO e a CIPE Cacaueira, e, para controlar a fúria dos manifestantes usaram balas de borracha e bombas de efeito moral, daí a situação foi controlada e a BR 101 foi liberada.
A Polícia Civil precisa o mais rápido possível investigar o caso para dá uma resposta à sociedade, porque a revolta é geral, os policiais envolvidos na morte destes jovens precisam ser afastados até que seja concluída as investigações, como também as armas periciadas. Ainda segundo informações, o homem que foi assaltado relatou aos policiais que os assaltantes estavam armados, porém populares afirmam que os jovens não estavam armados e que foram mortos de forma covarde e por engano. O Delegado de Presidente Tancredo Neves que vai apurar o fato, não pode aceitar a tese de legítima defesa e nem confeccionar Auto de Resistência, pois não houve e trata-se de uma execução explícita. 

Reportagem Amarelinho

tags

0 comentários:

Postar um comentário