segunda-feira, março 04, 2024

Traficante morto em Valéria, “Pablo Escobar” ostentava nas redes sociais; veja imagens

Veículos de luxo, celulares de marca, correntes de ouro, whisky e até coleção de armas de grosso calibre. Assim era a vida do traficante “Pablo Escobar”, morto nesta segunda-feira (4), após trocar tiros com policiais durante a Operação Responsio, deflagrada pela Polícia Civil, por meio do pelo Departamento Especializado de Investigações Criminais (Deic), no bairro de Valéria em Salvador.

Apontado como um dos líderes da facção criminosa Katiara, o número 4 do “Baralho do Crime” da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), Pablo Ricardo de Assis Gomes Oliveira, possuía dois mandados de prisão em aberto por tráfico de drogas, associação ao tráfico de drogas e organização criminosa. Conforme mostram imagens divulgadas nas redes sociais, o traficante costumava ostentar no dia a dia.
De acordo com a Polícia Civil, o homem estava escondido numa área de mata do bairro de Valéria, quando decidiu entrar em confronto com os policiais nesta manhã. Em meio ao confronto, “Pablo Escobar” foi atingido por disparos de arma de fogo e socorrido para uma unidade de saúde, mas não resistiu.

Ainda segundo a Polícia Civil, o traficante também era apontado como autor e mandante de diversos homicídios registrados em Valéria nos últimos anos, e era conhecido por oprimir e ameaçar moradores do bairro. Além de “Pablo Escobar”, um outro suspeito, de vulgo “Cachinho”, também acabou morto.

Operação Responsio

A operação desarticulou três acampamentos de entorpecentes e resultou na apreensão de cerca de 150kg de maconha. Também foram apreendidos sete aparelhos celulares, rádios comunicadores, munições, seis granadas, balanças de precisão e porções fracionadas de maconha, cocaína, crack. Um homem em posse de granadas e parte das drogas também foi preso.
Bnews 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

VULGO JHONES CALABRESA: bandido do BDM morre durante confronto com a PM em Plataforma

O criminoso era conhecido como “Jhones Calabresa” e fazia parte da facção Bonde do Maluco (BDM) no bairro de Plataforma. Ele che...